quinta-feira, 12 de março de 2009

Ressonâncias


"Tudo ressoa, mal se rompe o equilíbrio das coisas.

As árvores e as ervas são silenciosas: se o vento as agita, elas ressoam.

A água está silenciosa: o ar a move e ela ressoa.

As ondas mugem: é que algo as oprime.

A cascata se precipita: é porque falta-lhe solo.

O lago ferve: algo o aquece.

Os metais e as pedras são mudos, mas ressoam se algo os golpeia.

Assim também o homem. Se fala, é porque não pode conter-se.

Se se emociona, canta.

Se sofre, lamenta-se.

Tudo o que sai de sua boca em forma de som se deve ao rompimento de seu equilíbrio...

A palavra é o mais perfeito dos sons humanos;

a literatura, por sua vez, é a mais perfeita forma de palavra.

E assim, quando o equilíbrio se rompe,

o céu escolhe entre os homens os que são mais sensíveis e os faz ressoarem."


Han Yu (poeta chinês do sec.VIII)
foto: Baraka





Postar um comentário