sexta-feira, 10 de julho de 2009

Em se tratando de pedras

pedras lisas,
pedras finas,
pedras pontudas,
pedras agudas,
pedras gordas e deitadas,
roucas e assustadas,
pedras fortes e viscosas,
seculares e rochosas.
Ah, quantas pedras há em Paratí.
Pedras de pedras,
de escravos, de carregadores
e de tantos opressores,
dos tais portugueses
e de tantos poucos brasileiros,
que hoje enchem as vielas,
os becos, as ruelas
de falas, de falas e tantas falas,
até o desvanecer das vozes,
pela madrugada de tosse.
É o tempo da pedra de toque.
Postar um comentário